Área Médica
Atendimento online via chat exclusivo para médicos
Fale Conosco
Rua Santa Clara, 240
Sorocaba/SP
TEL: (15) 3233-7925 / 3231-1614
contato@arteformulas.com.br

Notícias

Exercício diminui o risco de 13 cânceres

Altos níveis de atividade física no momento do lazer estão associados com um risco significativamente menor de desenvolver diversos tipos de cânceres, segundo os resultados de uma análise agrupada de mais de um milhão de pessoas dos Estados Unidos e Europa.

Os achados, publicados online em 16 de maio no JAMA Internal Medicine, indicam que altos níveis de atividade física reduziram o risco de desenvolvimento de 13 dos 26 cânceres estudados.

Para esse grupo de 13 cânceres, a redução do risco variou de 10% a 42%.

Os cânceres afetados foram adenocarcinoma de esôfago (hazard ratio [HR], 0,58), câncer de fígado (HR 0,73), câncer de pulmão (RR 0,74), câncer de rim (HR 0,77), câncer gástrico (HR 0,78), câncer de endométrio (HR 0,79), leucemia mieloide (HR 0,80), mieloma (HR 0,83), câncer de cólon (HR 0,84), câncer de cabeça e pescoço (HR 0,85), câncer retal (HR 0,87), câncer de bexiga (HR 0,87) e câncer de mama (HR 0,90).

Os cânceres com risco não positivamente afetado pela atividade física incluíram os de próstata e o melanoma.

“Esses achados suportam que a promoção da atividade é um componente chave dos esforços de prevenção e controle do câncer na população”, dizem os pesquisadores.

Em um editorial que acompanhou o estudo, Marilie D. Gammon, da Gillings School of Public Health, University of North Carolina em Chapel Hill, descreveu os resultados como empolgantes, pois eles “destacam a importância da atividade física no momento do lazer como uma estratégia potencial de redução de risco para diminuir o fardo do câncer nos Estados Unidos e em todo o mundo”.

Ela enfatizou a necessidade de mais pesquisas para a compreensão dos mecanismos para a associação entre atividade física e câncer e sobre o momento crítico para exposição ao exercício, assim como os tipos e quantidades de atividade que possuem maior impacto.

O pesquisador principal Steven C. Moore, do National Cancer Institute, em Bethesda, Maryland, disse ao Medscape que três mecanismos foram propostos para relacionar a atividade física ao menor risco de câncer.

O primeiro seria via hormônios sexuais. Estudos prévios mostraram, por exemplo, que os estrogênios estão em menores níveis em mulheres fisicamente ativas. “A segunda hipótese está relacionada a insulina, pois pessoas ativas apresentam menores níveis de insulina, e a ela própria pode ser um fator de risco para o câncer”, disse ele.

O terceiro está conectado à inflamação, com estudos indicando que o exercício está relacionado a menores níveis de marcadores inflamatórios, e que a inflamação “é um fator de risco para o câncer em geral”.

Embora aparentemente, de acordo com os achados atuais, a relação entre atividade física e risco de câncer seja mais intensa para cânceres gastrointestinais e hematológicos, não foi possível determinar qual das três hipóteses tem maior probabilidade de explicar a associação.

Moore disse: “É difícil fixar com exatidão, pois em um estudo ideal você gostaria de ter a atividade física e esses fatores inflamatórios medidos e o desfecho do câncer, e ninguém fez esse estudo”.

Os achados mais do que nunca fortalecem as recomendações de níveis mínimos de atividade física, pois a mensagem de que o exercício reduz o risco de câncer pode ser acrescentada àquela para doença cardiovascular.

Moore observou: “Em termos de fazer com que as pessoas se exercitem, depende do número de comunidades e do número de distritos eleitorais investidos nessa mensagem de saúde pública”.

Para ele, o estudo “no mínimo em parte alinha a evidência para o câncer com a evidência para doença cardíaca”.

Moore disse: “Em outras palavras, há evidência suficiente para sugerir que a atividade física pode ser uma parte importante da prevenção do câncer e mensagens de controle, então isso pode ser divulgado dentro da comunidade de pesquisa, e talvez também com o terceiro setor.”

 

Fonte: Medscape