Área Médica
Atendimento online via chat exclusivo para médicos
Fale Conosco
Rua Santa Clara, 240
Sorocaba/SP
TEL: (15) 3233-7925 / 3231-1614
contato@arteformulas.com.br

Notícias

Dor de garganta: amigdalites, faringites e laringites

O que são faringites e amigdalites?

São os processos inflamatórios e infecciosos que acontecem a faringe e as amigdalas, conjunta ou separadamente, levando a dor de garganta, que é uma queixa muito frequente. Nesta região se localiza o chamado anel linfático de Weldeyer, composto pelo tecido linfoide (produtor de células de defesa), os principais agrupamentos deste tecido estão nas amigdalas ou tonsilas palatinas, nas tonsilas faríngeas (adenoides), nas tonsilas tubáreas (na região do ósteo tubáreo) e nas tonsilas linguais (na base da língua). 


Qual é a função das estruturas do anel linfático de Weldeyer? 

As tonsilas, ou amigdalas, e todo tecido linfoide espalhado na faringe tem importância crucial na reação imunológica (defesa do organismo). Estrategicamente localizadas na estrada do trato aéreo de digestivo, fazem o reconhecimento do antígeno (substancias estranhas ao organismo) e a produção de células e mediadores imunológicos. Assim fica bastante clara sua importância nos primeiros anos de vida, antes dos 7 anos de idade (quando a crianças atinge a maturidade imunológica) e até a adolescência (quando decai a função protetora das tonsilas ou amigdalas). 


Quais são os micróbios mais frequentes nas faringes ou amigdalites? 

Boa parte das faringotonsilas é determinada por vitus e são processos autolimitados que não necessitam de tratamento com antibióticos. Dentre os vírus que levam à sintomatologia mais expressiva estão o Coksackoe A, que forma vesículas e ulceras sobre as tonsilas, e o Epstein- Barr, que causa a mononucleose (doença infectocontagiosa). Neste último caso, o uso inadvertido de antibióticos pode levar a graves reações de pele em 50% dos pacientes. Quanto as bactérias, a mais frequente é o Streptococcus B hemolítico do grupo a, que habita a nasofaringe de 15% a 20% das crianças. Outros agentes são o Haemophilus influenzae, Moraxella catarrhalis, Staphylococcus aureus, anaeróbios ( Bacteroides sp), etc. Tem aumentado muito a incidência de bactérias resistentes. Assim, somente o medico pode avaliar qual a melhor opção de tratamento antibiótico.


O que é abscesso periamugdaliano? Como trata-lo?

O abscesso periamigdaliano é uma coleção purulenta no espaço virtual ao redor das amígdalas. Normalmente, se desenvolve em pacientes que já tiveram outras amigdalites. Leva a quadro toxêmico bastante importante, o que compromete o estado geral do paciente, com dificuldade para engolir, trismo (dificuldade para abrir a boca) e febre. O tratamento inclui antibióticos, drenagem do abscesso, ou até retirada da amigdala comprometida.


Quase são os efeitos da hipertrofia das adenoides?

As adenosides são estruturas presentes nas crianças saudáveis e imunologicamente competentes. Seu crescimento excessivo pode gerar alteração na correlação continente/conteúdo, obstruindo as vias aéreas superiores e causando uma série de problemas com consequências a longo prazo. A obstrução provocada pela hipertrofia das adenoides pode levar, em maior ou menor grau, a ronco e apneia obstrutiva noturnos, respiração bucal, alterações ortodônticas, distúrbios da fala, fonação, mastigação e deglutição. Atraso no desenvolvimento, distúrbios de aprendizado, infecções otites medias de repetição, otite media secretora, rinossinusite e faringotonsilite. Quadros mais dramáticos podem chegar a cor pulmonale, um tipo de insuficiência cardíaca, e necessitam de tratamento cirúrgico imediato. 


Quando se deve indicar a tonsilectomia ou amigdalectomia? 

Este é um tópico ainda controverso, mas as indicações mais frequentes só as amigdalites repetidas (4 a 6 vezes no ano), abscesso periamigdaleano, obstrução das vias aéreas levando a ronco e/ou apneia ou cor pulmonale, distúrbios da alimentação e deglutição. Em crianças, deve-se avaliar a necessidade de adenoamigdalectomia. Alguns autores indicam a cirurgia nos casos de tonsilites que se acompanham de convulsões febris, na febre reumática e no mau hálito em adultos. 


Como abordar as faringites agudas no paciente adulto?

As faringites agudas mais frequentes são virais, mas há muitos sinais de semelhança com infecções bacterianas, com dor de garganta prolongada ou muito forte, irritação e placas brancas (fibrinas) ao exame, e aumento de gânglios. Antibióticos são indicados aos pacientes com faringites bacterianas. 


Quais são as causas não-infecciosas de faringites crônica do adulto?

Dor de garganta por faringite crônica pode estar presente em tabagistas e em casos de rinossinusite crônica, tosse crônica, alergia e refluxo gastresofágico. 


O que pode causar rouquidão? É um problema sério?

Quando uma pessoa fica rouca, pode estar com algum problema de laringe, órgão responsável pela voz. Distúrbios da voz podem ser associados ao seu mau uso, quando uma pessoa fala, canta ou grita muito. Também pode ocorrer rouquidão ou perda da voz quando há inflamação viral, refluxo gástrico, tumores benignos ou malignos, dentre outras razoes. Portanto, a rouquidão pode ser não problema mais sério, dependendo da causa.


Como diagnosticar e tratar os problemas de voz?

Como muitas outras doenças, o sucesso do tratamento depende do diagnóstico precoce, por isso recentemente há campanhas incentivando as pessoas a procurarem atendimento médico, especializado logo nas primeiras semanas de aparecimento da rouquidão. O diagnóstico é feito facilmente por exame endoscópico, com anestesia local. Os tratamentos incluem medicamentos, fototerapia e, eventualmente, cirurgia, sempre por indicação médica. 



Fonte: 

SAUDE - ENTENDENDO AS DOENÇAS, KAUFFMAN, PAUL, HELITO, ALFREDO SALIM DE, Ano:  2007. Editora: NOBEL