Área Médica
Atendimento online via chat exclusivo para médicos
Fale Conosco
Rua Santa Clara, 240
Sorocaba/SP
TEL: (15) 3233-7925 / 3231-1614
contato@arteformulas.com.br

Notícias

Oncologia - Conhecendo o câncer

O que é oncologia?

É a especialidade que estuda as diversas formas de câncer. O oncologista (especialista em oncologia) consegue prever o comportamento dos diferentes tipos de cânceres, dua velocidade de crescimento, prognostico, as áreas preferencias de metástases, além de promover medidas de prevenção, diagnóstico e tratamento.

 

O que são neoplasias?

Os tecidos dos nossos órgãos são formados por um grande número de células; normalmente estas células dividem-se, gerando novas células para substituir as que morrem, mantendo os nossos órgãos com formas e tamanhos ideias, o controle do sistema é muito sofisticado, exigindo uma perfeita sincronia entre a morte programada das células e sua substituição por novas, com a mesma especialização. Quando ocorre proliferação desordenada de células de determinado órgão ou tecido, chamamos o fenômeno de neoplasias. As neoplasias podem ser benignas ou malignas. As neoplasias benignas são aquelas que não se espalham pelo corpo, podendo ser curadas com cirurgias. As neoplasias malignas (também chamadas câncer) se caracterizam pela capacidade de gerar novos tumores a distância, que são denominadas metástases.

 

Como surge o câncer?

No processo de oncogênese (ou seja, surgimento de câncer) existe a perda do controle de crescimento de um determinado tecido. As células cancerosas sofrem alterações nos genes que controlam e organizam a proliferação celular e, dessa forma, passam a se comportar de forma independente, ano mais respeitando regras para manter os tecidos com volume, forma e funções perfeitos. Além de proliferarem de forma desordenada, levando, à formação de tumores, essas células cancerosas, anormais não exercem as funções habituais dos órgãos dois quais se originaram.

 

O que são metástases?

Outra característica muito importante e já mencionada das células cancerosas consiste na capacidade de penetrarem na circulação sanguínea e linfática, alcançando outros órgãos. Dessa forma, essas células conseguem invadir órgãos a distância, multiplicando-se e formando novas áreas tumorais, ditas metástases.

 

Quais são as causas de câncer?

De uma maneira simples, podemos afirmar que o surgimento do câncer envolve aspectos genéticos e hereditários associados a fatores externos desencadeantes. Os antecedentes familiares do indivíduo são muito importantes, principalmente em câncer de mama, ovário, intestino e próstata. Existem programas de aconselhamento genético baseados em minuciosa história familiar e eventuais exames laboratoriais sofisticados que permitem a identificação de indivíduos com altíssimo risco de desenvolver câncer.

Oitenta a 90% dos canceres estão associados a fatores ambientais. Alguns deles são bem conhecidos: o cigarro pode causar câncer de pulmão, a exposição excessiva ao sol pode causar de pele, o alcoolismo pode causar câncer de amidala e esôfago, alguns subtipos do vírus Papiloma são os agentes causadores do câncer de colo uterino. Outros fatores ambientais de menor impacto, mas não de menor importância, constituem o tipo de dieta, exposição a agentes infecciosos como alguns vírus e bactérias, irradiação ionizante, produtos químicos, entre vários outros. 

 

Como se faz o diagnóstico?

De maneira geral, quanto mais precoce o diagnóstico de câncer mais eficaz e mais simples é o tratamento.

O diagnostico quase sempre exige uma biopsia, que consiste na retirada de fragmentos ou aspirado da lesão suspeita, seguida da análise pelo médico patologista. Em alguns casos, utilizam-se técnicas imunológicas especiais, denominadas de imunoistoquímica, para definição mais precisa da origem celular do material da biópsia e da presença de determinadas estruturas nas células cancerosas.

 

Quais são os tipos de câncer?

Existem diversos tipos de canceres com particularidades para cada órgão e para cada paciente. Porém, podemos classifica-los de uma maneira geral em 4 grandes grupos: carcinomas, sarcomas, melanomas e hematológicos.

 

O que são carcinomas?

São os mais frequentes e correspondem aos canceres que se originam nos epitélios de revestimento. São exemplos de carcinomas: os canceres de pulmão, do tudo digestivo (incluindo pâncreas, fígado e vias biliares), os canceres ginecológicos e de mama, os canceres urinários (incluindo próstata) e a grande maioria dos canceres de pele, com exceção dos melanomas.

 

O que são sarcomas?

Correspondem a aproximadamente 1% das neoplasias dos adultos e só aqueles que se originam em tecidos ósseos, cartilagens, gordura e músculos.

 

O que são melanomas?

Formam um grupo especial de canceres que se iniciam nos melanocitos, que são as células produtoras de melanina (proteína responsável pela tonalidade da pele. A quase totalidade dos melanomas se origina da pele, apesar de haver casos de melanona ocular.

 

O que são canceres hematológicos?

As neoplasias hematológicas são aquelas que se originam de células dos gânglios linfáticos (como por exemplo, os linfomas, que são oriundos de células do sistema imunológico chamadas linfócitos) e de células da medula óssea ( como por exemplo as leucemias, que são cânceres de glóbulos brancos, e o mieloma múltiplo, que é um tipo de câncer de plasmócitos, células do sistema imunológico.

 

O que significa estadiamento?

Uma vez estabelecido o diagnóstico de câncer, que em geral é definido através de uma biopsia, só realizados exames complementares para determinar a extensão da doença. Exames de imagem como radiografias simples ou contrastadas, tomografias computadorizadas, ressonância nuclear magnética, ultrassonografias, endoscopias, cintilografias com radioisótopos e PET (tomografia por emissão de pósitrons) são os mais comumente utilizados na pratica clínica. De maneira geral, o estadiamento é a investigação, através de exames, da presença de metástases. 

 

Qual é a importância do rastreamento?

O tratamento do câncer é mais eficaz, a mais simples e menos mutilante, quando o diagnóstico é realizado precocemente. Nas fases iniciais da doença, o volume do tumor é menor, as chances de metástases são pequenas, e a quantidade total de células cancerosas potencialmente resistentes ao trabalho é reduzida.

Por outro lado, a grande maioria das doenças oncológicas só produz sinais e sintomas em fases avançadas da sua evolução, quando o tumor acumula um grande número de células em um volume considerável. Consequentemente, a fase inicial do câncer é quase sempre imperceptível para o paciente.

Com o intuito de diagnosticar as formas mais frequentes de câncer em fases inicias e antes do surgimento de sintomas, programas de rastreamento populacional são utilizados em vários países. Os recursos medico-diagnósticos atualmente disponíveis são muito potentes e em alguns casos de altíssimo custo. O custo-benefício dos procedimentos de rastreamento é criteriosamente estudado, pois são aplicados a grandes populações. Muitas destas recomendações são controversas, não havendo uniformidade na sua utilização. O surgimento de outros recursos diagnósticos e a conclusão de novos estudos devem modificar estas práticas.

 

Os programas de rastreamento para

Câncer de Mama

Os fatores de risco mais comuns para o desenvolvimento de câncer de mama são: história familiar de câncer de mama e/ou ovário, idade avançada, radioterapia previa na mama, história progressiva de doença benigna da mama, menarca (primeira menstruação) precoce e menopausa tardia. Os exames recomendados para detecção precoce do câncer de mama são a mamografia e/ou ultrassonografia (dependendo da quantidade de gordura da mama da paciente) e exames clínicos anuais para mulheres acima de 35 anos e autoexame das mamas mensal por toda a vida.

Mulheres com história familiar de câncer de mama e/ou ovário constituem um grupo de risco mais elevado e requerem a orientação especializada de um oncologista.  

Fonte: 

 SAUDE - ENTENDENDO AS DOENÇAS, KAUFFMAN, PAUL, HELITO, ALFREDO SALIM DE, Ano:  2007. Editora: NOBEL