Área Médica
Atendimento online via chat exclusivo para médicos
Fale Conosco
Rua Santa Clara, 240
Sorocaba/SP
TEL: (15) 3233-7925 / 3231-1614
contato@arteformulas.com.br

Dicas de Saúde

O segredo dos remédios manipulados

O segredo dos remédios manipulados

Uma boa opção em alguns casos, nem sempre a melhor em outros, esse tipo de medicamento vem ganhando mercado.

Nos primórdios da medicina, não havia grandes laboratórios, com sua tecnologia avançada e suas cápsulas coloridas. A tarefa de fazer os remédios estava nas mãos dos boticários, que manipulavam plantas e outras substâncias disponíveis. "Antes do surgimento da indústria farmacêutica, o que salvava vidas era o medicamento manipulado", diz a farmacêutica Maria da Penha Henriques do Amaral, da Universidade Federal de Juiz de Fora (MG). Com o crescimento da indústria farmacêutica no início do século XX, a tarefa de manipular remédio perdeu espaço, mas não desapareceu. Nos últimos anos, vem ganhando força novamente. De acordo com a Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais (Anfarmag), mais de 60 milhões de receitas são manipuladas anualmente.

Os motivos para o ressurgimento das farmácias magistrais, como também são chamadas, são vários. Um dos principais é o preço. Na maioria dos casos, os manipulados são mais baratos. Geralmente isso acontece porque não é necessário investir em embalagens e rótulos sofisticados, nem em propaganda. Um bom exemplo são os protetores contra queimaduras de pele usados após a radioterapia. "O produto industrializado sai na faixa de R$ 100, e o manipulado com a mesma segurança custa R$ 20", conta Maria da Penha.

"Outra vantagem do manipulado é que sua composição pode ser ajustada às características individuais dos usuários", diz Maria do Carmo Garcez, presidente nacional da Anfarmag. Um exemplo é o caso de pacientes que apresentam hipersensibilidade a um tipo de conservante presente no produto industrializado, usado para aumentar o prazo de validade. O médico pode prescrever um manipulado com o mesmo princípio ativo, mas sem o conservante. Nas farmácias magistrais também existe a possibilidade de se aviarem medicamentos que, por serem pouco procurados, deixaram de ser produzidos pela indústria.